Cefaleia crônica – Entenda e saiba a hora de buscar ajuda

Retornando ao que expliquei no último post, Cefaleia é um termo médico que significa dor de cabeça. Portanto, cefaleia = dor de cabeça. Para que você entenda melhor o que é cefaleia crônica, eu terei que lhe explicar alguns detalhes antes.

Dor é um fenômeno fundamental para a preservação da nossa integridade física. Em geral, ela aparece quando algo nos lesiona. Serve para que tomemos atitudes no sentido de nos proteger. Quando pisamos em algo pontiagudo, automaticamente retiramos o pé desse lugar, pois ele irá causar mais dano ao corpo caso não façamos essa retirada. Então, logo após a lesão, fazemos uma retirada reflexa do pé (mecanismo não consciente). Assim, nos protegemos. Pronto, objetivo alcançado! Aí entra em ação um outro mecanismo no cérebro que faz com que essa dor inicial desapareça. Esse sistema chama-se sistema inibitório da dor. Fantástico isso, não?

O uso frequente de analgésicos para dor de cabeça pode contribuir, em grande parte, para que a dor de cabeça se torne crônica. Sabe o porquê? Porque o uso abusivo de analgésicos bloqueia esse sistema inibitório da dor que existe naturalmente no nosso cérebro. Assim, quando o consumo de analgésicos fica muito frequente (+ de 10 dias ao mês) nosso corpo poderá deixar de ter um sistema de inibição de dor funcionante. A consequência disso será o aparecimento cada vez mais frequente de cefaleia e o aumento da necessidade de mais e mais analgésicos para controlar o quadro de dor.

Vamos tentar entender agora o que é uma #cefaleiaprimária e uma #cefaleiasecundária.

Quando uma cefaleia não é causada por outra doença, dizemos que ela é uma cefaleia primária. Exemplos de cefaleias primárias: #enxaqueca, #cefaleiadetensão, #cefaleiaemsalvas, #hemicraniaparoxística e #cefaleiadosono.

Algumas cefaleias são secundárias. Como por exemplo: dores de cabeça que aparecem quando a pressão arterial está muito alta; cefaleias geradas por trauma na cabeça, pescoço ou face; cefaleias provocadas por micróbios (infecciosas); cefaleias decorrentes de tumores na cabeça ou pescoço; e cefaleias provocadas pelo consumo frequente de analgésicos. Essas cefaleias são secundárias a outras causas. No entanto, tanto as cefaleias primárias como as cefaleias secundárias podem se tornar crônicas.

Mas, o que é mesmo uma cefaleia crônica? É aquela em que as dores de cabeça aparecem mais de 15 dias ao mês por um período superior a 3 meses.

As cefaleias mais prevalentes em todos os países do mundo e que mais se tornam crônicas são as #cefaleiasprimárias. A ENXAQUECA é a cefaleia primária responsável pelo maior número de casos de cefaleia crônica.

Exemplificando melhor esses conceitos…

Uma pessoa que tenha cefaleia de tensão (primária) ou uma cefaleia em salvas (primária) ou que faça uso frequente de analgésicos (secundária) pode desenvolver uma cefaleia crônica. Portanto, a enxaqueca crônica é apenas um tipo de cefaleia crônica.

Agora duas informações importantes: a ENXAQUECA é a doença neurológica que mais causa incapacidade em pessoas de 20 a 50 anos no mundo todo. Quando se torna crônica, debilita mais ainda. Além disso, 50% dos pacientes com enxaqueca crônica fazem uso excessivo de analgésicos.

Uma coisa superlegal que você deve saber. Pesquisas já identificaram muitos fatores que podem levar uma pessoa a desenvolver uma cefaleia crônica. Preste atenção neles: #sobrepeso ou #obesidade, #distúrbiosdosono, sobretudo os roncos, ser mulher, ingestão muito frequente de medicamentos analgésicos, baixa capacidade de enfrentamento dos episódios de dor, baixo nível socioeconômico, traumas na região da cabeça, pescoço ou na face, consumo excessivo de cafeína, dor lombar crônica e vida muito estressante.

Saiba a hora de buscar ajuda: quando as dores e o consumo de analgésicos ficarem frequentes. Não deixe, em hipótese nenhuma, que sua cefaleia fique crônica. Procure ajuda. Não fique se automedicando. O tratamento de uma dor crônica costuma ser muito mais longo e caro, pois requer a integração de vários recursos. Nas cefaleias faz toda a diferença o acompanhamento por médico que se dedique ao tratamento de pacientes com dores de cabeça, #cefaliatra.

Caso queira receber um tratamento diferenciado para sua dor de cabeça e evitar que ela fique crônica, agende uma consulta com a Dra. Jerusa Alecrim.

Consulta com tempo adequado (1h e meia), sem pressa. Abordagem bem individualizada. Tratamento integrando recursos farmacológicos e não farmacológicos. Uso de conceitos e tecnologias modernas na abordagem e tratamento de pacientes com cefaleias. Tudo na medida exata. Sem excessos. Humanização máxima no atendimento como sendo um princípio básico da prática médica.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *