Dicas para evitar enxaqueca e dores de cabeça no Carnaval

Como eu já havia dito em posts anteriores, dor de cabeça não é sinônimo de enxaqueca.

Enxaqueca é muito mais que a dor de cabeça. É um tipo de dor de cabeça que tem forte componente genético e vários outros sintomas associados às fortes dores de cabeça.

No Carnaval, qualquer pessoa pode apresentar dor de cabeça, mas quem tem enxaqueca fica mais vulnerável que qualquer outro “pobre mortal”.

Quase ninguém acaba tendo uma rotina normal no Carnaval aqui no Brasil. Para alguns significa período de festança, pouco tempo para dormir e muita bebida com teor alcoólico. Para outros, serão dias de muito sossego, descanso, regados ou não pelo consumo de bebidas com álcool e/ou outras substâncias estimulantes.

Irei destacar aqui 5 fatores que estão relacionados a geração de dor de cabeça e que poderão estar presentes na vida de foliões e da “galera Zen” nesse Carnaval.

Bebidas alcoólicas:

Elas podem sim desencadear episódios de dores de cabeça. Na maioria das pessoas a dor acontece quando a ingestão é feita de forma excessiva. Em outras pessoas mais sensíveis pode ocorrer mesmo em pequenas quantidades. Já em quem tem enxaqueca, as dores de cabeça podem vir independentemente da quantidade de bebida alcoólica ingerida. Pessoas com cefaleia em salvas (“a pior dor de cabeça que existe”), em fase de crises, não devem nem chegar perto de bebidas que contenham álcool. A prevenção é o melhor caminho. 🤭

Sono:

Dormir demais ou dormir de menos são gatilhos de dores de cabeça, especialmente em quem tem enxaqueca. O corpo tem um ritmo biológico que chamamos de ritmo circadiano. O equilíbrio do corpo e do cérebro depende de uma rotina de sono e vigília. Nesse caso, muitas vezes se faz necessário o consumo de analgésicos. Em quem tem enxaqueca, todo o conjunto de medidas para tratamento de uma crise será necessária: analgésicos + hidratação + repouso em um lugar sossegado e preferentemente com pouca luminosidade. A prevenção é sempre o melhor caminho!

Jejum prolongado:

O jejum prolongado pode provocar dores de cabeça em qualquer pessoa. Em geral, a ingestão adequada de alimentos e uma boa hidratação é o suficiente para tratar essa dor de cabeça. Porém, em quem tem enxaqueca, o jejum poderá desencadear uma “senhora crise de enxaqueca”, regada de muita dor e todos os outros sintomas. Apenas comer e hidratar não resolverá o problema. Quem tiver uma crise de enxaqueca provocada pelo jejum prolongado deverá tratá-la como uma crise de enxaqueca. Analgésicos + hidratação + repouso em um lugar sossegado e preferentemente com pouca luminosidade.

Excesso de cafeína:

Essa substância está presente em diversas bebidas, não apenas no café. Todos aqueles estimulantes que se toma para aguentar o “pique” na folia provavelmente tem cafeína. A cafeína em excesso pode desencadear dores de cabeça em qualquer pessoa. Mas, em quem tem enxaqueca, poderá ser desencadeada uma “senhora crise de enxaqueca”, regada de muita dor e todos os outros sintomas. Nas dores de cabeça provocada pelo consumo excessivo de cafeína será necessário o uso de analgésicos. Hidratação sempre. A água ajuda no metabolismo geral do corpo e na eliminação de substâncias consideradas tóxicas pelo corpo. Quem tiver enxaqueca deverá ser tratado como uma crise de enxaqueca. Analgésicos + hidratação + repouso em um lugar sossegado e preferentemente com pouca luminosidade.

Abstinência de cafeína:

Muitas pessoas costumam ingerir café apenas no trabalho. Deixam de tomá-lo nos finais de semana e nas férias. Alguns aproveitam o Carnaval para fazer retiro espiritual e desintoxicação do corpo e da mente. É importante saber que o café quando consumido regularmente, mesmo em pequenas quantidades, pode provocar dores de cabeça em períodos de abstinência de consumo. Para quem não tem enxaqueca, tomar uma xícara pequena de café forte pode eliminar a dor de cabeça em 30 minutos a uma hora. Mas, quem tem enxaqueca, deve cuidar dessa dor de cabeça como sendo uma crise de enxaqueca, pois o quadro clínico vem completo, com todos os sintomas caso não seja instituído o tratamento adequado.

Vamos agendar uma consulta? Preencha o formulário abaixo ou entre em contato pelo Whatsapp (19) 99516-8476.

Agende uma consulta

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *